Pré-vendas da 2ª quinzena de Novembro/2017 – Não-Ficção e Biografias

Confira o resumo dos melhores títulos de não-ficção e biografias em pré-venda na segunda quinzena de novembro:

Armas, Germes e Aço, de Jared Diamond

prenf4Armas, germes e aço procura demonstrar, por meio de uma intrigante revisão da evolução dos povos, que o destino dos europeus, nativos americanos, africanos, asiáticos e australianos foi moldado por fatores geográficos e ambientais, e não por questões étnicas ou particularidades referentes à inteligência e aptidões de cada um dos grupos.

Através de uma viagem ao longo de 13 mil anos de história dos continentes, Jared Diamond conclui que a dominação de uma população sobre outra tem fundamentos militares (armas), tecnológicos (aço) ou nas doenças (germes), que dizimaram sociedades de caçadores e coletores, assegurando conquistas, proporcionando a expansão dos domínios de determinados povos e, consequentemente, conferindo-lhes grande poder político e econômico.

De capa nova, esta edição comemorativa dos vinte anos de publicação traz um posfácio inédito do autor sobre a pobreza e a riqueza das nações.

George Lucas: Uma Vida, de Brian Jay Jones

prenf3Uma biografia minuciosa e envolvente sobre um dos maiores gênios da história do cinema. Em 25 de maio de 1977, um filme de ficção científica independente, que enfrentava diversos problemas e tinha um alto orçamento, estreou em apenas 32 cinemas americanos. Idealizado, escrito e dirigido pelo, até então, pouco conhecido George Lucas, a produção, originalmente intitulada Star Wars, rapidamente gerou filas que se estendiam por quarteirões, bateu recordes de bilheteria e deu início a uma nova maneira de produzir, vender e comercializar filmes.

Como se Star Wars já não tivesse sido impactante o suficiente, George Lucas também foi responsável por consolidar outra franquia de filmes blockbuster com Indiana Jones, transformando completamente o universo dos efeitos especiais e sonoros.

Brian Jay Jones conta em detalhes a incrível trajetória do homem que criou Darth Vader, Han Solo e Indiana Jones. Em George Lucas: Uma vida, os companheiros, familiares e concorrentes de Lucas oferecem um fascinante olhar da história de vida do cineasta, passando pela infância na cidade de Modesto, seus sucessos e fracassos profissionais, a criação de um império cinematográfico independente e a rotina no rancho Skywalker.

O Livro de Jô – Vol. 1: Uma Autobiografia Desautorizada, de Jô Soares

prenf1Em seu aguardado livro de memórias (desautorizadas!), Jô Soares ilumina os bastidores da própria vida com humor e inteligência irresistíveis.

Prestes a completar oitenta anos e com verve mais afiada do que nunca, Jô Soares compartilha sua trajetória de astro midiático num livro de memórias escrito para fazer rir, chorar e, sobretudo, não esquecer.

O primeiro volume resgata fatos, lugares e pessoas marcantes da juventude de Jô e reconstitui seus primeiros passos no mundo dos espetáculos, nas décadas de 1950 e 1960.

Entre a infância dourada no Copacabana Palace e a dura conquista do estrelato, acompanhamos o autor do nascimento aos trinta anos. Os antecedentes familiares, a meninice privilegiada nos palácios da elite carioca, a mudança para um internato na Suíça, os marcos da formação cultural do futuro showman na adolescência, a paixão pelo jazz, a estreia modesta em pontas no cinema e na televisão, o primeiro casamento e, finalmente, a conquista do sucesso numa São Paulo fervilhante: tudo que você sempre quis saber sobre Jô, ele mesmo conta, com o talento narrativo do romancista de O Xangô de Baker Street e O homem que matou Getúlio Vargas.

18 and Life: Minha Vida no Skid Row, de Sebastian Bach

 

prenf2Sebastian Bach é o típico líder de banda de rock: barulhento, tempestuoso, bonito e incrivelmente talentoso.

Ele foi o eletrizante vocalista do Skid Row, que arrebatou o mundo no fim dos anos 1980 com canções de sucesso como “18 and Life, “Youth Gone Wild” e “I Remember You”, fazendo turnês pelo mundo na louca época em que o hard rock dominava as rádios e aparecia na capa de todas as grandes revistas de música.

Nesta empolgante e brutalmente honesta autobiografia, Sebastian Bach conta sua história no Skid Row: as festas, as drogas e as turnês internacionais com Mötley Crüe, Aerosmith, Bon Jovi, Pantera, Metallica, Slayer e Guns N’Roses, e mostra como sua voz única levou o Skid Row ao auge e o manteve bem-sucedido em carreira solo depois que a banda terminou.

Num livro recheado de fotos, ele também faz reflexões sobre o preço da fama e sobre o que significa ser um verdadeiro rock star! De seu nascimento nas Bahamas a seus anos de adolescência no Canadá, da formação do Skid Row aos shows lotados de milhares de fãs, esta é a história definitiva de Sebastian Bach e de sua música.

Tons de Clô, de Carlos Minuano

 

 

prenf5A biografia de uma das personalidades mais controversas da cultura brasileira

Clodovil Hernandes foi o estilista mais popular de sua geração, apresentou programas em diversas emissoras como Rede Globo, Rede Bandeirantes, RedeTV e Rede Manchete, e nos últimos anos de sua vida, investiu na carreira política, tornando-se o primeiro deputado federal assumidamente gay e o quarto mais votado no país em 2006. Esta biografia aborda desde a infância de Clodovil até a sua morte, e é fruto de uma extensa pesquisa pautada em relatos de pessoas que trabalharam e conviveram com ele.

Neste livro, Carlos Minuano se propõe a contar a história de um homem complexo, dotado de personalidade ácida, que, durante a vida, colecionou inimizades e polêmicas, mas que, por conta de seu talento e sua criatividade, viveu cercado de celebridades e muito luxo.

Por Amor aos Lugares, de Rogério Haesbaert

prenf6Ao mesmo tempo livro de relatos e reflexão geográfica e histórica, Rogério Haesbaert nos introduz aos múltiplos espaços que, em viagens ou no próprio cotidiano, desdobram-se depois — do Oriente (China, Índia, Vietnã…) ao Ocidente (Cuba, México, Colômbia…) —, em diferentes momentos ao longo dos últimos 25 anos. Os relatos começam por lugares distantes, envolvendo viagens que marcaram pela força de suas diferenças (como ao Tibete, a povoados do norte do Vietnã ou a aldeias de Madagascar), até chegar a espaços de morada e vivência cotidianos e pretensamente mais seguros, os quais nem por isso estão alheios à surpresa e ao inusitado que instigam o questionamento e a mudança.

Este é um livro de crônicas, de memórias, de relatos mais espontâneos, muitos deles de viagens, de narrativas redigidas no calor das vivências, do contato direto com os outros e seus tantos lugares, da história presentificada e da geografia acumulada que, ao mesmo tempo que se anunciam, através da sua diversidade, também estão se/nos transformando.

Muitas Língua, Uma Língua, de Domicio Proença Filho

prenf7Nesta obra, Domicio faz um passeio pela história do Brasil, em que perpassa fatos históricos e sociais, e aponta as transições pelas quais a língua passou ao longo dos séculos. A partir de textos representativos e com linguagem acessível, Domicio lança também um olhar agudo sobre a utilização do português brasileiro nas múltiplas circunstâncias do convívio comunitário: a relação entre a fala e a situação de fala; o papel da escola; as variantes geográficas, sociais e expressivas; a língua e a inclusão social. Num texto claro e objetivo, o acadêmico reúne teoria e sua experiência eminentemente no ensino da língua, para trazer ao leitor riquíssimas abordagens que integram cultura, literatura e a fascinante história da língua portuguesa no Brasil.

Tudo em Volta Está Deserto, de Eduardo Jardim

prenf9Eduardo Jardim (Prêmio Jabuti 2016) apresenta um ensaio que aborda três momentos da produção literária e musical no Brasil, percorrendo o fim dos anos 1960, os anos 1970 e o início da década seguinte: o romance Quarup, de Antonio Callado, o espetáculo Gal a todo vapor, e os escritos de Ana Cristina Cesar, até 1983. Uma interrogação é feita ao longo de todo o livro: qual significado a literatura e a música tiveram para um grupo de jovens que atravessava aqueles momentos cruciais da história brasileira?

Quarup, lançado em 1967, é uma reação ao golpe militar e expressa os anseios e perplexidades dos opositores do regime, exprimindo a forte tensão entre o apelo da militância política e a postura questionadora de todas as soluções à vista. O show Gal a todo vapor foi montado no período mais duro da ditadura, em 1971, depois do AI-5. Ele tinha um poder catártico e ocupou uma posição singular no cenário artístico da época. Já os escritos de Ana Cristina manifestam uma demanda de interlocução. Não se referem diretamente ao que se passava na política.

Essa abordagem original faz com que o livro não seja apenas uma crônica dos acontecimentos, mas um convite à reflexão sobre temas que transcendem todas as épocas – diferentes maneiras de se experimentar a relação da arte com a vida. Tudo em volta está deserto não deixa de ser o depoimento de alguém que viveu com intensidade o seu tempo.

Não Basta Dizer Não, de Naomi Klein

prenf8A tomada da Casa Branca por Donald Trump é um agravamento perigoso em um mundo de crises encadeadas. Sua agenda imprudente acarretará ondas de desastres e choques para a economia, a segurança nacional e o meio ambiente. A renomada jornalista, ativista e autora best-seller Naomi Klein passou duas décadas estudando choques políticos, mudança climática e a “tirania das marcas”. Dessa perspectiva singular, ela argumenta que Trump não é uma aberração, mas a extensão lógica das piores e mais perigosas tendências dos últimos cinquenta anos. Não basta, ela nos diz, meramente resistir, dizer “não”. Nosso momento histórico exige mais: um “sim” inspirador, digno de confiança, um guia para reivindicar o território populista daqueles que buscam nos dividir.

O que Te Faz Mais Forte, de Jeff Bauman

prenf10Em 16 de abril de 2013, Jeff Bauman acordou no Boston Medical Center, atordoado após uma série de cirurgias de emergência, e sem as duas pernas. Apenas trinta horas antes, Jeff estava na linha de chegada da Maratona de Boston de 2013, para incentivar sua namorada, Erin, quando a primeira bomba explodiu junto a seus pés. Ao acordar, em vez de parar para pensar em como sua vida se alterara completamente, ele arrancou o tubo de oxigênio e tentou falar, mas não conseguiu. Então, escreveu sete palavras: “Vi o cara. Olhou bem pra mim”, pondo em marcha uma das maiores caçadas humanas da história dos Estados Unidos e começando sua própria jornada de recuperação.

Em O que te faz mais forte , Jeff Bauman descreve o caos e o terror do atentado em si e a investigação do FBI que se seguiu, na qual atuou como testemunha-chave. Ele nos convida a acompanhar sua exaustiva reabilitação e narra os desafios e as alegrias que encontrou na tentativa de reconstruir sua vida. Jeff também nos fala da bravura dos outros sobreviventes do atentado. Corajosa, compassiva e envolvente, a história de Jeff Bauman não é só dele, mas de todos nós. Ela prova que as adversidades, por pior que sejam, só nos tornam mais fortes.

Sem Filtro, de Lily Collins

prenf11Lily Collins — estrela de filmes como Instrumentos mortais, Espelho, espelho meu e Simplesmente acontece — estreia na literatura com um livro confissão; uma conversa entre amigas. Honesta. Sem filtro. Pela primeira vez, Lily fala da vida pessoal e confessa seus segredos mais bem guardados. Lily desnuda suas vulnerabilidades com uma coragem comovente, e lembra que a vida não é feita apenas de risos e um eterno alvorecer cor-de-rosa. Para cada alegria há, também, dor e desilusão; luz e trevas, como em qualquer trama bem urdida. Aceitação é a palavra mágica. Para Lily, olhar o espelho e gostar do que vê, fazer as pazes com você mesma é a chave para suportar os dias ruins. Embora o caminho para o amor-próprio possa ser sinuoso, a autora aprendeu que basta uma pessoa estender a mão, alguém tomar uma pequena atitude para todos os demais entenderem que não estão sozinhos. Engraçada e terna, a voz de Lily irá inspirar você a ser quem é e a sempre dizer o que sente. Chegou a hora de achar sua voz. E viver sua vida… plenamente.

 

Deixe uma resposta